JURID BRAKE DISC – A importância de uma boa escolha em discos de travagem

JURID-PV_CV_01KOPIE

Sendo uma peça de extrema importância no processo de travagem do seu automóvel, a sua escolha no que toca aos discos de travagem também terá de ser crucial para salvaguardar a sua segurança e performance automobilística. A empresa alemã Jurid é uma das empresas líder no campo de travagem da indústria automóvel e a sua gama de discos de travagem promete ser uma excelente solução para todos os condutores.

A popularidade da Jurid deve-se muito ao facto de os seus componentes de travagem terem o máximo de qualidade e níveis de segurança possíveis.

A Jurid garante a melhor qualidade no processo de desenvolvimento dos seus discos de modo a garantir níveis de qualidade e performance acima da média. Outro dos pontos fortes depara-se com o facto de estes componentes serem compatíveis com o equipamento original do seu automóvel tendo sido submetidos a testes de modo a pensar em todas directrizes do EO.

A Jurid está em contacto constante com reguladoras da indústria automóvel de modo a implementar nos seus discos as mesmas linhas de resistência, temperatura, fricção ou outra característica para o melhor alinhamento e compatibilidade com o seu veículo.

A cereja no topo do bolo vem no revestimento NONOX que a Jurid implementa nos seus discos de travagem. Esta nova forma de revestimento permite aos discos um maior prazo de validade assim como uma barreira sólida face aos níveis de desgaste com o passar dos tempos.

Só a consistência e os padrões de altíssimo nível na construção deste tipo de componente automóvel é que podem desenvolver a credibilidade de uma empresa. A Jurid transpõe para os seus discos de travagem os dois factores acima da melhor maneira possível e isto faz com que os seus discos de travagem sejam a escolha prioritária para o seu automóvel.

Informação www.PecasAuto24.PT

Categoria:AnálisesTruques e Dicas

Etiquetas:

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigo por: Luís Barros